Posts tagged davi

Para quem não pôde acompanhar no ICT, Davi Morales mostra seu talento em video.

0

A gente gostaria de renovar os parabéns ao Davi pela apresentação realizada aqui no ICT no dia 11 de abril. E agora, com muito orgulho, aqui no blog, compartilhamos os vídeos de duas de suas composições, apenas para dar uma ligeira ideia do brilho artístico do estudante àqueles que ainda não tiveram a chance de ver em primeira mão.

Boa audição a todos!

“Durante o período de férias,
gravei duas músicas no estúdio de um amigo;
os vídeos estão disponíveis, assim como a música para download.

Eis os vídeos:
http://www.youtube.com/watch?v=QbhSl4miWnM

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=QbhSl4miWnM&w=560&h=315]

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=hm57D7P1OSA&w=853&h=480]

sinta-se à vontade para assistir, comentar, curtir
e/ou compartilhar.

Grato pela atenção,
Davi Morales.”

dsc_0073

Projetos coletivos e a construção dos sentidos para a vida na Universidade

2

A propósito da apresentação de três estudantes na primeira edição do projeto “Mostre o Seu Talento”.

“A utilidade para o interesse de cada indivíduo isolado não é a única fonte de sentido possível para o esforço que fazemos todos os dias para estar nessa universidade”.

Alguém que estivesse presente poderia sintetizar desse modo o evento ocorrido no ICT no fim de tarde da última quarta, um enunciado plasmado sob a forma de música e movimento e que se fez sentir pelos poros de estudantes, docentes e técnicos que na ocasião compareceram à vizinhança do estacionamento e do hall de entrada do edíficio II. Durante pouco mais de meia hora de convívio proporcionado pela arte de três estudantes, formou-se ali uma atmosfera sugestiva de possilidades praticamente ilimitadas de ação e de formação que a Universidade pode abrigar. Para lá do talento, Aruã Sousa, Davi Morales e Douglas Landim vieram mostrar que o crescimento intelectual se transfigura quando vem incorporado a aspectos de emoções compartilhadas, de identidade e identificação com o outro. Esteve claro que encontros assim se vinculam a um significado maior: eles ajudam a pessoa a perceber a diferença entre um regime pragmático de afazeres e um relacionamento mais visceral com a vida – este, capaz de despertar uma intuição dos potenciais ligados à existência de cada pessoa e das coletividades.

Foi dessa maneira que Davi, interpretando desde Chopin até uma bela composição de Gustavo, amigo do estudante, veio trazer a música como matéria de reflexão, no papel de veículo que impulsiona e acompanha o indivíduo no caminho para o encontro de si mesmo. Os percursos em que o entendimento da singularidade de cada ser se aprofunda foi o matiz da beleza que encontrou um meio de expressão na voz e no piano de Davi.

Em complemento à mesma ideia, a exibição de Tai Chi Chuan feita por Douglas e Aruã ativou a compreensão de que o ser humano constrói o que é selecionando material de uma vasta bagagem recolhida ao longo de experiências milenares. A partir delas, as relações da pessoa com o mundo extravasam os limites das coisas instantâneas, esquecidas e abandonadas no momento mesmo em que foram realizadas. Coisas tão básicas quanto nossa respiração e movimentação corporal vão sendo forjadas pelas formas de vida comunitária que grupos humanos vêm elaborando através dos tempos e das culturas. Nos contornos desenhados pelos movimentos marciais da dupla, veio à tona a consciência de que somos, ainda hoje, enlaçados aos que nos antecederam – e aos que irão nos suceder – pelos fios dos gestos, dos sons e das formas.

Após as apresentações, muitos dos presentes buscaram Davi, Aruã e Douglas com palavras e posturas que assinalavam que um circuito de entendimento havia sido completado. Ao avaliar o que em meia hora foi realizado com a notável contribuição desses estudantes, fica transparente para todos o poder que até mesmo as menores práticas desse tipo têm de ampliar o repertório de temas construídos ou encontrados por nós, indivíduos com anseios e projetos em comum, enquanto mobilizamos esforços para dar sentido ao que fazemos e vivenciamos na universidade. Talvez será essa a principal marca que a passagem pela universidade irá deixar em cada um.

Go to Top